Tradução: “S03E02: The Jiminy Conjecture (A Conjetura de Jiminy)”

Receio que este episódio tenha desapontado mais de 10 milhões de fãs – pois nele não houve física. Há biologia: grilos estrilando, entomologia, e até mesmo uma discussão sobre a neurobiologia do efeito do álcool no cérebro. Mas, aparentemente, nada de física.

Não tão depressa. Físicos trabalham com problemas biológicos o tempo todo. Tanto que na minha própria universidade, a UCLA (University of California in Los Angeles), há uma graduação muito popular em Biofísica. A equação fundamental deste episódio, a razão entre o número de estrilados de um grilo e a temperatura , como Sheldon nos diz, foi criada por A. E. Dolbear em 1890.  Dr. Dolbear foi um professor de física na Universidade de Tufts, não de biologia. Se olhar atentamente para o quadro branco do apartamento dos rapazes, verá as equações que descrevem a temperatura (em Fahnrenheit) versus o número de estrilados de um grilo por minuto.

A Lei de Dolbear: equação que descreve como o número de estrilados de um grilo por minuto (N) se realciona com a temperatura (T).

É claro que ela deve ser feita separadamente para o grilo comum, e também para o grilo das neves e pra esperança. Cada estrilado é feito quando o grilo fricciona sua asa dianteira direita contra sua asa dianteira esquerda, que é coberta de serras. Neste processo, a criação do som ocorre de maneira similar ao ato de passar sua unha sobre os dentes de um pente. Em insetos, a este comportamento dá-se o nome de estridulação. Às pessoas fazendo barulho com o pente dá-se apenas o nome de “irritante”.

O espectador alerta com certeza deve ter notado a diferença de um dígito entre a equação no quadro branco do episódio e aquela vista acima. Ademais, o primeiro nome do Prof. Dolbear não era Amos, e sim Emile. Mas que bela checagem dos fatos o consultor da série fez.

A biofísica moderna é diferente daquela da época de Dolbear. Os físicos trabalham em cima de problemas biológicos fundamentais, tais como o modo com que uma célula trabalha utilizando pontos de vista especiais e ferramentas com as quais foram treinados. Por exemplo, as proteínas são responsáveis por grande parte da atividade de uma célula e o sútil dobrar e desdobrar das proteínas que ocorrem com a variação de temperatura são essenciais à atividade celular. Fazendo uso de mecanismos estatísticos, dinâmica não-linear e técnicas laboratoriais emprestadas das ciências físicas, os físicos estão caracterizando este essencial aspecto das proteínas e, subsequentemente, estão compreendendo o funcionamento interno de uma célula. Em outro exemplo, um amigo meu tenta compreender como nosso ouvido interno consegue ser um amplificador tão bom, permitindo que ouçamos tanto os sons baixos quanto os altos em sua totalidade, e isso tudo com apenas um pequeno fio que se move um bilionésimo de metro e produz uma quantidade muito pequena de barulho externo.

Muitos anos antes, Dolbear havia realizado um trabalho muito importante como físico. Em 1815, ele fez a primeira telegrafia sem-fio — muitos anos antes de Guglielmo Marconi.

Artigo do The New York Times, de 6 de outubro de 1899.

É CONTESTADO O REQUERIMENTO DE MARCONI

Prof. Dolbear afirma ser o descobridor da telegrafia sem-fio e diz que irá proteger seus direitos.

A telegrafia sem-fio será alvo de litigância. O prof. Amos E. Dolbear, da Universidade de Tufts, declarou ser o descobridor da telegrafia sem-fio, e que pretende tomar medidas para impedir que o Signor Marconi infrinja seus direitos.

Então Dolbear foi o primeiro a realizar a telegrafia sem-fio. Sem a telegrafia sem-fio, não teríamos o rádio. Sem o rádio, não teríamos nem a tecnologia para fazer a televisão e nem as primeiras radionovelas. E sem qualquer uma dessas duas coisas, não teríamos a série The Big Bang Theory.


Tradução feita por Hitomi a partir de texto extraído de The Big Blog Theory, de autoria de David Saltzberg, originalmente publicado em 26 de Setembro de 2009.

 

Tags: , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: